Aleitamento materno X Obesidade infantil

07/01/2016 Amanda Ribas
1

Oi pessoal tudo bem?

Me chamo Nathalia Droppa, sou Nutricionista e a pedido da Mandi tenho o prazer de vir
passar um pouco mais de informação e conhecimento sobre a área da nutrição pra vocês!
Hoje vamos começar falando sobre um tema que eu ADORO: aleitamento materno X
obesidade infantil.

1

 

Como a maioria de vocês devem saber a OMS (Organização Mundial da Saúde) preconiza que a
amamentação exclusiva deve ser oferecida desde o nascimento até os seis meses de vida do
bebê e, a partir daí, deve-se introduzir outros alimentos, prolongando o amamentar durante
os primeiros dois anos ou mais de vida da criança.

A amamentação exclusiva até este período ou mais, oferece muitos benefícios ao bebê como
redução dos níveis de colesterol na vida adulta, menor probabilidade de obesidade (por
diminuir a quantidade das células de gordura e auxiliar no trabalho digestivo), proteção contra
infecções respiratórias, entre outros. Além disso, o aleitamento materno segundo vários
estudos realizados ao longo dos anos traz vários benefícios para a mãe, como a prevenção do
câncer de mama, alguns canceres ovarianos, e o retorno do peso pré-gestacional mais
rapidamente.

Além desses ótimos benefícios para a mãe citados acima, vocês sabiam que amamentar
exclusivamente seus bebês pode protegê-los do sobrepeso e obesidade? Os resultados de um
estudo recente mostraram que a frequência de excesso de peso nas crianças amamentadas
exclusivamente até o sexto mês foi de 21,2%, enquanto que naquelas com amamentação
exclusiva até o segundo mês, a frequência foi de 26,7%.
Esta possível proteção contra a obesidade infantil acontece porque as primeiras experiências
nutricionais que uma criança tem podem afetar sua suscetibilidade para doenças crônicas na
idade adulta, como obesidade, hipertensão, doenças cardiovasculares etc. Sendo o leite
materno a primeira experiência nutricional do bebê, seus fatores bioativos entre eles
hormônios e fatores de crescimento vão atuar sobre o crescimento, a diferenciação e a
maturação funcional de órgãos específicos, afetando vários aspectos do desenvolvimento.
O que é importante salientar aqui é que toda criança amamentada exclusivamente até os seis
meses receberá esta proteção, porém fatores como alimentação não saudável, influência da
mídia, inatividade física, e a hereditariedade irão ter papel importante em seu estado
nutricional no futuro.
Sendo assim, se a criança amamentada até seis meses ou mais viver em um ambiente
obesogênico, o fator de proteção do leite materno não conseguirá sozinho manter um bom
estado nutricional. Por isso é muito importante incentivar nossas crianças desde cedo a ter
uma alimentação balanceada, praticar exercícios através de brincadeiras divertidas para que,
juntamente com a proteção recebida pelo leite materno lá em seis primeiros seis meses de
vida eles possam se tornar adultos saudáveis e muito bem dispostos, com certeza eles irão te
agradecer!

Bom, por hoje é isso, espero que tenham gostado e que possam refletir sobre o assunto e usar
essas informações da melhor maneira possível!
Um grande beijo carinhoso a todas (os) e até a próxima!

Nathalia Droppa Nutricionista
Instagram @nathaliadroppa_nutri